Como funciona um intercâmbio? Atuando em feiras da área como BMI e FPP EDU Expo desde 2002, nos deparamos sempre com essa pergunta. A resposta, porém, requer um passo atrás: a definição do que, onde e por quanto tempo você quer estudar fora. Entendemos que o principal motivador dessa pergunta é a confusão que a palavra Intercâmbio pode causar.

Intercâmbio?

Antigamente a palavra “intercâmbio” fazia muito mais sentido: acontecia de fato uma troca na qual o aluno Brasileiro ia para o exterior e ficava em uma casa de família cujo filho vinha para o Brasil. Durante um período médio de 6 meses as famílias ficavam portanto com os filhos trocados. Hoje em dia, a grande maioria das oportunidades de educação internacional não envolvem essa troca, e os tipos de programa disponível são muito mais diversos. Aqui você encontra as principais vertentes de intercâmbios. Mesmo com a modernização dos programas, a palavra “intercâmbio” persistiu. Hoje em ela dia pode ser interpretada como o intercâmbio de informações, cultura e costumes.

Por onde começar?

Estudar fora é um investimento e como todo investimento, queremos maximizar o resultado dele. Para isso, oferecemos sessões gratuitas de consultoria na qual avaliamos os desejos, objetivos e possibilidades de cada aluno juntamente com seus pais. Tendo os objetivos bem delimitados e entendendo as possibilidades com transparência, fica muito mais fácil decidir o programa e ser assertivo nos resultados.

Os objetivos podem ser, por exemplo: ganhar fluência no idioma local, ter uma experiência internacional, conquistar um diploma ou até mesmo tirar um período sabático. Já no quesito possibilidades, os principais fatores são: domínio atual do idioma, tempo de estadia desejado, destino e valor do investimento.

Encontrei o programa perfeito. E agora?

Independente do tipo de programa, país e instituição de ensino, toda inscrição começa pelo preparo da documentação, preenchimento dos termos e condições e pagamento da taxa de inscrição da instituição. Com isso, as instituições costumam enviar uma carta de aceitação que pode ser utilizada, em combinação com demais documentos, para a obtenção do visto. Como esse processo pode ser um pouco lento e depende de consulados e do correio, sugerimos sempre aos nossos estudantes que se inscrevam com a maior antecedência possível. Outra coisa que não pode ficar para a última hora é a compra da passagem: os preços costumam aumentar conforme a data desejada se aproxima.

O que eu estudei fora, vale no Brasil?

“Uma mente que se expande à uma nova ideia, nunca mais voltará ao seu tamanho original”. A frase é antiga mas faz muito sentido: todo o conhecimento e experiência que você adquirir vão somar para a sua formação e são coisas que ninguém poderá tirar de você. O reconhecimento no Brasil, depende muito do tipo de curso. Por exemplo: quem faz curso de inglês poderá tirar um TOEFL para comprovar que aprendeu. Um estudante de High School precisa cumprir algumas exigências do MEC para ter seus créditos reconhecidos no Brasil. Já no caso dos universitários que fazem graduação completa no exterior as exigências variam de acordo com a carreira escolhida. Quem estuda medicina ou engenharia, por exemplo, precisa submeter seus resultados às associações profissionais reguladoras. Já os alunos de cursos como o Marketing que não têm associação reguladora, devem esperar o reconhecimento através do próprio mercado.

Vamos agendar um horário?

Quer saber tudo sobre como funcionará o seu intercâmbio? Nossa equipe está pronta para lhe receber, planejar o seu intercâmbio, e ajudar em todas as etapas do processo de inscrição. Tudo isso, sem nenhum custo de agência para inscrições em escolas parceiras. Fale conosco através do chat ou da nossa página de contato.